• Ícone Youtube
  • Ícone Facebook
  • Ícone Linkedin

Blog Mens Sana

Fique por dentro das novidades, eventos e palestras.

26

de Agosto de 2016

Ser parte do problema ou da solução, define um bom profissional.

Muitas vezes somos questionados sobre o que é ser um bom profissional. É obvio que ter uma boa personalidade, caráter, integridade moral são condições básicas de todo bom profissional. Ocorre que em tempos de competitividade acirrada, e velocidade nas decisões, existe um fator que distingue um profissional de destaque e um mediano.

 

Estou falando da capacidade de enfrentar situações desafiadoras, momentos em que a capacidade de encontrar a solução para um problema é de extrema importância.

 

Neste caso, costumo dizer que há dois tipos de profissional, porque não dizer dois tipos de pessoas, as que fazem parte do problema e aquelas que fazem parte da solução.

 

As que fazem parte da solução são as que, mesmo diante de uma situação difícil, desafiadora, onde parece não haver saída, dizem com firmeza, frases do tipo: - “Vamos encontrar uma maneira de resolver este impasse”, “Contem comigo”, “Não vamos desanimar, vamos encontrar uma saída”, “Sempre é tempo”, e por aí vai... São pessoas que encontram forças para seguir sempre em frente, que não se deixam abalar. Geralmente formulam frases positivas, no presente, substituem o “talvez”, “acho”, “eu farei”, por “acredito que”, “com certeza”, “juntos nós faremos”.

 

Temos vários exemplos na história de empresários, políticos, religiosos que marcaram seus nomes, promovendo mudanças gigantescas por onde passaram. O político Nelson Mandela, a religiosas Madre Thereza e Irmã Dulce, e também M. Gandhi, empresários como, Antonio Hermirio de Moraes, e Abilio Diniz, médicos, advogados, pessoas menos divulgadas pela mídia que diariamente estão nas favelas tentando mudar a vida de crianças e jovens, foi o caso de Zilda Arns que lutou uma vida por mais justiça social, não brigando e se indispondo, mas trabalhando com crianças, jovens e idosos. Ela fazia parte da solução.

 

Não fazemos parte da solução quando banalizamos uma injustiça social, fazendo piadas com pessoas que praticaram crimes. Devemos nos unir a grupos que buscam a solução de forma justa, honesta e que praticam a cidadania. Seja na sociedade ou na empresa onde trabalha.

 

Para sermos bons profissionais, bem como bons cidadãos, precisamos fazer parte da solução. E não reforçar o “time dos problemas”.